Tóquio mantém hortas nas estações de metrô para população poder cultivar orgânicos

Tóquio mantém hortas nas estações de metrô para população poder cultivar orgânicos
16 mar 2015

Espaço (ou melhor, a falta dele) é um problema e tanto no Japão. Em Tóquio, além de estacionamentos que enterram bicicletas, os moradores têm acesso a outra iniciativa para driblar a falta de espaço: hortas urbanas construídas no topo das estações de metrô.

Batizado de Soradofarm, o projeto é coodernado pela companhia local de metrô, a East Japan Railway Company, e tem como objetivo oferecer aos japoneses que querem cultivar uma horta, mas não tem espaço em casa, a oportunidade de plantar alimentos no topo das estações.

A iniciativa começou em 2010 e fez sucesso entre a população: atualmente, cinco estações de metrô já contam com hortas urbanas e outras oito estão em fase de construção.

Para ter um pedacinho de terra para chamar de seu, no entanto, é preciso pagar. Os ‘agricultores urbanos’ desembolsam 100.440 ienes (cerca de R$ 2.500) por ano para cultivar legumes, frutas e verduras no topo dos metrôs.

Todas as ferramentas necessárias para o cuidado com a terra são oferecidas pelas estações. Os inquilinos também não precisam ser grandes conhecedores de jardinagem ou agricultura, uma vez que os espaços contam com a presença de especialistas para orientá-los. Veja, abaixo, mais fotos da iniciativa.

Uma maneira de esverdear as cidades e, ao mesmo tempo, incentivar a agricultura urbana. Você aprovaria no Brasil?

Foto: Divulgação/Soradofarm



Débora Spitzcovsky
Débora Spitzcovsky

Débora Spitzcovsky é jornalista, formada pela Universidade Metodista de São Paulo e, desde o início da carreira, atua na área da sustentabilidade. Atualmente, é analista de comunicação sobre o tema na Duratex

Observações

  1. […] Horta em metrôs no Japão, terrenos abandonados em São Paulo, hortas públicas na Inglaterra. Nos Estados Unidos, abrigo em Atlanta mantém moradores em situação de rua ocupados ao ensiná-los a arte de cultivar hortas. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *