Nova resolução da Aneel facilita produção de energia limpa em casa

Nova resolução da Aneel facilita produção de energia limpa em casa
14 dez 2015

Você já pensou em produzir a sua própria energia elétrica? Isto está mais viável no Brasil após a revisão da Resolução Normativa nº 482/2012 da Agência Nacional de Energia Elétrica, a Aneel.  O novo texto aprimora o processo de regulamentação e cria novas oportunidades de negócio para o segmento na instalação de pequenos sistemas de energia renovável, utilizando, por exemplo, painéis solares fotovoltaicos, biodigestores e microturbinas eólicas.  

Entre as mudanças está a criação de duas novas modalidades de geração distribuída:

– o autoconsumo remoto, que permite que um gerador utilize créditos em outra unidade consumidora. Por exemplo, uma empresa produzir energia em seu galpão e utilizar os créditos em seu escritório ou ainda gerar energia numa casa e utilizar os créditos num apartamento;

– e a geração compartilhada, que possibilita que diversos interessados se unam em um consórcio ou cooperativa.

De acordo com o diretor executivo da Absolar (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica), Rodrigo Sauaia, as novas medidas colocam o Brasil num patamar importante no cenário internacional de mitigações dos gases causadores do efeito estufa, e ainda traz boas perspectivas quanto ao futuro do setor. “O Brasil acaba de entrar para o rol dos países com algumas das melhores práticas internacionais para favorecer o crescimento da micro e minigeração. A Absolar prevê que o mercado de micro e minigeração, que este ano já cresceu 300%, vai continuar com uma curva de crescimento acelerada nos próximos anos”, destacou.

As novas regras estão valendo desde 1º de março de 2016. A Aneel prevê, que até 2024, cerca de 1,2 milhão de unidades consumidoras passem a produzir sua própria energia.

Foto: Wayne National Forest/Creative Commons



Web Rádio Água
Web Rádio Água

A Web Rádio Água é uma ferramenta de comunicação do Centro Internacional de Hidroinformática (CIH), um centro de categoria 2 do Programa Hidrológico Internacional da UNESCO. A WRA opera na produção e difusão de conteúdos em áudio (técnicos e comunitários) dentro das temáticas “Água, Energia e Sustentabilidade”. O projeto dedica-se a ser um espaço colaborativo que possibilita a troca de informações e experiências, para que, a partir da mobilização social, sejam adotadas boas práticas relacionadas à temática água como recurso natural em diferentes cenários da vida.

Observações

  1. De que adianta regular e cobrar 60% de imposto sobre os paineis importados mais o Icms, li que sem cobrar o custo financeiro levaria 12 anos para a economia pagar o investimento. É mais vantagem deixar na poupança por 12 anos o valor.

    • Caro Fabio, tenho uma empresa de energia solar e realmente o valor de aquisição é muito alto, mas vejo que você não ira colocar o dinheiro na poupança pois terá que pagar a fatura de energia que vem mensalmente e depois que você paga não terá o retorno do valor nunca mais.
      Com o sistema solar um dia você poderá ser auto sustentável.

  2. Preço para instalação ainda é muito alto, o que nao dá para entender é a quantidade de impostos que recaem sobre os produtos, o Governo deveria zerar as aliquotas para este fim, resolveria o problema de desabastecimento e ajudaria a sociedade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *