Realidade virtual está ajudando tetraplégicos a voltarem a andar

Realidade virtual está ajudando tetraplégicos a voltarem a andar
14 set 2016

A tecnologia tem sido uma aliada e tanto no tratamento de doenças! Já contamos por aqui, no The Greenest Post, sobre o robô que ajuda crianças com autismo a desenvolver suas habilidades, por exemplo. Para muitos, a realidade virtual é apenas uma diversão, mas para pessoas que foram condenadas a viver para sempre em uma cadeira de rodas ela representa bem mais.

O projeto Walk Again (“Andar Novamente”, em português) está usando realidade virtual para recuperar as habilidades motoras de pessoas tetraplégicas. Oito pacientes já estão sendo submetidos a testes. Eles não voltaram a andar, mas recuperaram em parte seus movimentos da perna, o que já é um avanço e tanto para quem foi diagnosticado com paralisia – e também para a medicina.

O doutor Miguel Nicolelis, da Universidade de Duke, é o pesquisador responsável pelos testes. Segundo eles, os oito pacientes começaram os tratamentos sem nenhum controle muscular na parte inferior do corpo.

Na primeira etapa de experiência, houve apenas estimulação visual, o que não causou o impacto desejado. “Acompanhamos as atividades do cérebro dos pacientes quando pedimos para que eles imaginassem o andar novamente. Não houve nenhuma alteração”, explica o doutor. “É como se eles tivessem apagado o conceito de mover as pernas novamente”.

Mas, quando a realidade virtual entrou na jogada, com um óculos que permite o estímulo virtual e uma camiseta especial que possibilita uma experiência sensorial, a história mudou. Os equipamentos permitiram que os pacientes sentissem como se estivessem andando novamente e o cérebro conseguiu processar essa informação.

A fase seguinte foi um esqueleto robótico, durante uma hora por dia, para que a atividade cerebral fosse ainda mais estimulada. Com o passar do tempo, os oito pacientes sentiram as pernas e a região pélvica novamente — além de reaprender alguns controles musculares. Um dos pacientes já consegue até mesmo caminhar com ajuda de um andador, depois de 13 anos na cadeira de rodas. Só isso já vale todo o trabalho! 

O estudo completo está publicado na Nature. Confira!

Foto: zeevveez/Creative Commons


Share

Jéssica Miwa
Jéssica Miwa

Mãe do Gael, Googler, jornalista e cofundadora do The Greenest Post. Acredita em pequenas ações que podem mudar o mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *