As 5 melhores (e piores) cidades do Brasil em saneamento básico

As 5 melhores (e piores) cidades do Brasil em saneamento básico
04 abr 2016

Mais de 35 milhões de brasileiros não têm acesso à água tratada; metade da população não recebe o serviço de coleta de esgoto em suas residências; e apenas 40% dos esgotos gerados no Brasil passam por um tratamento adequado. Este é o retrato do país, traçado por um estudo desenvolvido pelo Instituto Trata Brasil, com base em dados de 2014 do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento, do Ministério das Cidades.

O Ranking do Saneamento nas 100 Maiores Cidades traduz em números a lentidão dos avanços no setor e o baixo grau de investimento. Este panorama deixa ainda mais distante a meta da universalização dos serviços, prevista para 2033 no Plano Nacional de Saneamento Básico: “Temos observado que o tratamento e a coleta de esgoto têm avançado, mas a um ritmo muito lento. Pelos nossos cálculos, essa meta será alcançada depois do ano de 2050, se mantermos o ritmo atual de investimentos”, explicou Pedro Scazufca, sócio do GO Associados, consultoria que participou do estudo.

Entre as 100 maiores cidades, as 5 piores colocadas estão concentradas na região Norte: Santarém (PA), Manaus (AM), Macapá (AP), Porto Velho (RO) e Ananindeua (PA). “Nesses municípios, de maneira geral, todos os indicadores infelizmente são ruins, tanto na coleta e tratamento de esgotos, quanto nas perdas de água”, destaca Scazufca.

Já a cidade melhor posicionada no ranking é Franca (SP), seguida por Londrina (PR), Uberlândia (MG), Maringá (PR) e Santos (SP).

Foto: Vereadora Mida/Creative Commons


Share

Web Rádio Água
Web Rádio Água

A Web Rádio Água é uma ferramenta de comunicação do Centro Internacional de Hidroinformática (CIH), um centro de categoria 2 do Programa Hidrológico Internacional da UNESCO. A WRA opera na produção e difusão de conteúdos em áudio (técnicos e comunitários) dentro das temáticas “Água, Energia e Sustentabilidade”. O projeto dedica-se a ser um espaço colaborativo que possibilita a troca de informações e experiências, para que, a partir da mobilização social, sejam adotadas boas práticas relacionadas à temática água como recurso natural em diferentes cenários da vida.

Observações

  1. Sem duvida ainda temos um bom caminho pela frente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *