Projeto coloca voluntários de plantão em lugares públicos para ouvir problemas alheios

Projeto coloca voluntários de plantão em lugares públicos para ouvir problemas alheios
01 jun 2016

Viver na cidade grande, cheia de pessoas que você nem conhece, não é fácil. A solidão é um dos piores sentimentos para nós, humanos, seres extremamente sociáveis. Por isso, um grupo de voluntários se espalha nas ruas de Los Angeles com placas que sinalizam uma ajuda simples: ouvidos de graça.

Conhecido como Confessionário Urbano, o projeto defende que as pessoas precisam ser ouvidas, mas que isso não acontece de maneira significativa no dia a dia do mundo moderno. O criador da iniciativa, Benjamin Mathes, acredita que não é preciso ser um padre ou psicólogo para ouvir as pessoas. “Você não precisa ser nada além de você. Ao fazer isso, tiramos muitas berreiras da conexão humana”, conta.

Tudo começou em 2012, quando Benjamin estava passando por um divórcio e queria uma maneira de recomeçar a vida e se dedicar a alguma causa. Ao passar por um morador em situação de rua que pedia dinheiro, ele parou para ouvir o homem e fazer-lhe companhia. Foi assim que sua ficha caiu: a atenção é tão fundamental para o ser humano quanto a sobrevivência — muitas vezes até mais importante.

Quando as pessoas perguntam o porquê do projeto, Mathes é sucinto: “Por você”. As pessoas são ouvidas e recebem respostas cheias de empatia, sem julgamento, conselhos ou burocracia. Nesses anos todos, ele já ouviu de tudo: uma adolescente celebrando 75 dias sem cortar os pulsos, um homem a caminho de se entregar à polícia e outro que chorou durante uma hora e meia por conta da sua relação com o filho.

Hoje, além de Los Angeles, o projeto também atua em Barcelona, Lima, Peru, Sidney, Tóquio e Nova York, entre outras cidades. Que tal também no Brasil? Qualquer um que queira se voluntariar precisa, apenas, ler as instruções básicas, que você encontra aqui!



Jéssica Miwa
Jéssica Miwa

Mãe do Gael, Googler, jornalista e cofundadora do The Greenest Post. Acredita em pequenas ações que podem mudar o mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *