Presos de MG cultivam horta no presídio (e alimentos são entregues a famílias pobres da região)

Presos de MG cultivam horta no presídio (e alimentos são entregues a famílias pobres da região)
06 dez 2016

Enquanto em Santa Rita do Sapucaí os presos suam a camisa para gerar energia limpa para a cidade, em Betim, outro município de Minas Gerais, os detentos colocam a mão na massa (ou melhor, na terra) para ajudar quem precisa.

Isso porque o Ceresp (Centro de Remanejamento do Sistema Prisional) da cidade instalou uma horta no entorno do presídio, em que são cultivadas verduras, legumes, plantas medicinais e até sementes de girassol. Tudo orgânico!

Os alimentos são cultivados pelos próprios presos. Por enquanto, 4 detentos cuidam da horta, das 8h às 17h, sob os olhares atentos de dois agentes penitenciários, uma vez que o espaço fica fora das dependências do presídio. Uma vez por mês, um agrônomo também vai ao local para dar assistência técnica aos hortelões.

A ideia é diminuir o tempo ocioso dos presos e ensinar a eles um ofício. Pelo trabalho prestado, ganham redução de pena: um dia a menos na cadeia a cada três trabalhados na horta. Isso porque a atividade beneficia a comunidade do entorno. Os alimentos cultivados – cerca de 300 quilos por ano – são encaminhados a famílias da região que vivem em situação de vulnerabilidade social, garantindo uma alimentação mais saudável a quem precisa. É ou não é um bom modelo para ser replicado nos presídios Brasil afora?

Foto: Omar Freire/Divulgação



Débora Spitzcovsky
Débora Spitzcovsky

Débora Spitzcovsky é jornalista, formada pela Universidade Metodista de São Paulo e, desde o início da carreira, atua na área da sustentabilidade. Atualmente, é analista de comunicação sobre o tema na Duratex

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *