Placentofagia: já ouviu falar? Veja 8 motivos para comer sua placenta depois de dar à luz

Placentofagia: já ouviu falar? Veja 8 motivos para comer sua placenta depois de dar à luz
07 maio 2014

Comer sua própria placenta soa estranho? Acredite! A prática é muito mais comum do que você imagina. Chama-se placentofagia e quase todos os mamíferos praticam por gerações.

Listamos aqui 8 motivos – pregados por placentofagistas! – para você comer sua placenta, que promete ser rica em nutrientes e hormônios (como ferro, vitamina B12, prolactina, oxitocina, prostaglandinas, endorfinas, etc, etc e etc).

1) Sua ingestão ajuda na recuperação do corpo pós-parto, como prevenção de sangramentos, por exemplo.

2) O consumo da placenta reduz as chances da mulher sofrer com depressão pós-parto, pois regula os hormônios de forma natural.

3) Algumas de suas propriedade ajudam na contração de músculos de células mamárias, o que facilita o início da amamentação.

4) A placenta também é forte aliada para a produção de leite, garantindo a quantidade necessária para o desenvolvimento saudável da criança.

5) Estudos recentes revelam que o líquido amniótico e a placenta têm moléculas que ajuda na dor natural que ocorre pouco antes e durante o parto.

6) Se conservada de maneira adequada, a placenta também pode ajudar na menopausa ou nas primeiras menstruações da criança (caso for menina, claro!).

7) Medicina chinesa tradicional utiliza da placenta para tratar doenças, infertilidade, impotência, entre outros.

8) Quem comeu afirma que a placenta parece muito com carne de vaca. Por isso, existem várias receitas que parecem deliciosas, como placenta com brócolis ou à australiana picante. Que tal?

PS: Os praticantes enfatizam que tais benefícios só serão válidos para a mãe e a criança, apesar de não fazer mal para outros possíveis consumidores. Não adianta pedir para a vizinha um pedaço 😛

PS 2: Existem profissionais especializados na coleta e preparação do material orgânico. Eles verificam também se a mãe não tem doenças como HIV e hepatite, por exemplo, para não colocar em risco os amigos que participarão do banquete.

Então, é contra ou a favor? Comente!

Foto: blmurch/Wikimedia Commons



Jéssica Miwa
Jéssica Miwa

Mãe do Gael, Googler, jornalista e cofundadora do The Greenest Post. Acredita em pequenas ações que podem mudar o mundo.

Observações

  1. Ah que nojo! Pelamor! É cada uma que inventam!

  2. Prefiro ter mil doenças, depressão pós parto e sangrar até morrer do que comer isso. Aff daqui uns dias vai ter gente comendo gente.

    • Vai ter não…já tem, vc não ouviu falar da cidade de Garanhuns em Pernambuco onde estavam fazendo coxinhas com carne de gente? Isso foi televisionado e tudo mais…um nojo!!!

    • Vc come coisas muuuuito piores e nem faz ideia. Então nao diz que prefere todas essas desgraças a comer isso.

  3. Eu sou vegetariana e comeria a minha placenta. Com tanto que ela esteja em cápsulas, pois não gosto do gosto de carne. Acho estranho ter nojo do próprio corpo, mas não ter nojo de comer cadáveres.

    • Quando falou q era vegetariana ja sabia q comeria a placenta… ja imagino aquelas vegetarianas feministas chatas parindo sem anestesia no meio do mato e depois comendo a placenta kkkkkk

    • Maria Luiza Diz: janeiro 21, 2015 at 1:16 pm

      De acordo, Elisa. Também sou vegetariana, nem carne, nem leite… mas acho comer a placenta uma ideia nova porem perfeitamente natural.

      As pessoas comem fígado de galinha, língua de boi, cérebro de bode, e ficam chocadas com isso. Sinto falta de mais coerência.

    • Adorei seu comentario. Comem cadáveres, mas tem nojo do próprio corpo

    • Placenta em cápsulas? HAHAHAHAHAHA. Vou criar uma indústria disso e ficar rico. Ai que bizarro

      • A coerência está em entrar pra ” canibalismo”, comer uma parte do próprio corpo ou oferecer ela a outro ser humano é canibalismo. E só é permitido pois a placenta iria ser descartada, eventualmente não fica ainda no corpo da mãe.
        Ser onivoro e comer carne animal é uma coisa, comer parte de si é outra.
        Ambas são praticas legais e podem ser praticadas por quem quiser. Assim como muitos vegetarianos tem nojo de carne por ser um cadáver animal e não se incomoda de comer plantas mortas, ou até fungos, já q cogumelos são do reino animal e ambos são seres vivos. Pessoas onivoras podem sentir nojo por outra pessoa comer a própria placenta, apesar de consumir carne, ela tem o direito de não consumir a própria.
        Vide que seres humanos só se alimentam de seres vivos e a saúde está na quantidade , qualidade e variedade. Comer ou não vai a cargo de quem põe o prato, sentir nojo ou não vai da pessoa que teve contato com.

    • Amei sua resposta.

    • Ótima resposta foi exatamente oq eu pensei pois tbm sou vegetariana em transformação para ser vegan

    • Disse tudo!!!

    • Hahahahahahaha adoreiiii!!!!

  4. Que bando de mulher fresca!

    Comer carne de vaca suja criada em pasto pode, mas a placenta que nutriu o proprio bebê e tem beneficios medicinais nao pode!

  5. jaqueline n. Diz: janeiro 19, 2015 at 2:49 pm

    Aqui no Japão existe uns suplementos vendidos em cápsulas que são de placenta de porco… eu já usei e realmente são uma maravilha… regulou minha menstruação. Fertilidade. Insônia.. E muitas outras coisas, até dores no corpo. De início nem sabia o que era, achava que era um nome estranho… depois fui pesquisar e realmente era a tal placenta. fiquei em choque, tive nojo, mas continuei o tratamento … já que fazia 2 anos que não menstruava e deu certo… que eles aprimorem e vire febre mundial igual os sucos detox … que aqui já existem há anos… e tem ate suco detox com placenta muito MARA…

  6. Super apóio. Hj acham nojento como acharam do leite materno há anos atras.

  7. a bicharada toda come, menos o bicho homem, vai entender…

  8. Como se come a placenta? cozinha como a carne de boi? Cozida ela surte todos esses efeitos listados acima? Porque todos os outros mamíferos que a comem, comem crua.

  9. e cozinhar não tira, eventualmente, os nutrientes e propriedades?

  10. Claudemir Santana Diz: janeiro 20, 2015 at 10:18 pm

    Sou super a favor! Os animais fazem isso, e eles são 100% mais inteligentes que nós, seres humanos.Se eles fazem instintivamente é porque com certeza existe todos esses benefícios.

  11. 1 – Comer a placenta alheia me parece canibalismo…
    2 – Eu ainda acho leite materno um negócio nojento…

  12. eca q nojooooo

  13. Vivian Pasini Diz: janeiro 21, 2015 at 11:48 am

    Comeria sossegado! Ué, não comem fígado de boi, peixe cru, língua, coração de galinha… ? Isso sim é nojento. E olha que não sou vegetariana…

  14. Não comeria!!!!!!!!!!

  15. A pessoa come ñ sabendo… Rsrsrsrs.

  16. Olha, sou a favor no caso de a mãe tá perdida na floresta e é o que tem depois de dar a luz ou casos extremos, mas assim a mulher iria comer que nem animais, ao natural. Eu já li sobre essa moda de comer placenta e tipo, é placenta gourmet o negócio. Ela é congelada e depois cozida e tal, dai honestamente acho que não faz nenhum sentido. melhor comer as comidas do dia a dia e ponto

  17. cada comentário ridículo! A pessoa prefere morrer? Então não coma fígado de boi, coração de galinha, desova de peixe- o famoso e caríssimo caviar!????? Saiam de dentro de suas caixinhas!!!!

  18. Quero deixar meu protesto aqui contra essa ignorancia sem tamanho. Mamíferos inferiores também comem o coco de sua prole. Daqui a pouco vai ter gente dizendo que é bom porque coco é orgânico e 100% natural. Ah, que esses loucos vão todos à placenta, ao cocô, e coisas do gênero. Animal é a mãe…

  19. Olha eu nunca tinha ouvido falar sobre isso de comer placenta …
    Pra mim é algo novo , eu comeria se trouxessem benefícios ao meu bebe , porque por mim eu acho desnecessário
    Mas é algo em que primeiro prefiro me aprofundar e conhecer melhor pra depois tomar a decisão , mas como minha mãe falou aqui kkk “Temperando bem , que mal tem?” kkkk

  20. Nojento
    no minimo
    Nao falta mais nada

  21. Aos que deixaram comentários completamente ignorantes, deixo minha experiencia: EU COMI MINHA PLACENTA e achei fantástico (o gosto e os resultados depois). Minha filha nasceu em casa num parto abençoado e eu e meu marido comemos minha placenta crua com shoyu, e realmente parecia sashimi (sem exagero!). E a placenta foi ainda encapsulada e feita uma tintura (pra minha filha usar depois, como dizem no texto). Eu recomendo fortemente, e para fechar só digo uma coisa: acho mil vezes mais nojento comer uma carne de vaca, que foi abatida sei lá quanto tempo antes de chegar à sua mesa e sequer é compatível com nossa espécie (assim como o leite da vaca, que é feito para os bezerros e não para os humanos).

    • mairamouramiranda Diz: fevereiro 9, 2015 at 7:23 pm

      Olá, Emilia. Fiquei curiosa para saber como você obteve essa assistência para tratar a placenta. Isso já é tranquilo de achar aqui no Brasil? Onde conseguir orientação adequada?

  22. Claudia Marcelino Diz: fevereiro 11, 2015 at 2:22 pm

    Também comi a minha placenta com shoyo, eu , meu marido e minha parteira, depois congelamos e fizemos um curso para fazer tintura com ela. Usamos essa tintura para todos os tipos de doenças físicas e espirituais, realmente resultados magníficos. Quanto a decisão de comer foi natural para mim, pois ela nao tem gosto ruim, é como carne normal, comi algo que nutriu e carregou meu bebe para que chegasse ao mundo em perfeitas condições, e ainda me proporcionou mais vitalidade e saúde na jornada maternal, realmente fico boba ao ler comentários sobre “que nojo” “canibalismo”, meu deus, comemos carne de vários animais que são sacrificados da maneira mais medonha que existem, cheio de hormônios e químicas que alteram sua composição e vir falar que sou nojenta pq comi algo sagrado, que nutriu meu bem mais precioso e só trouxe benefícios ao meu corpo. É bizarro.

    • E mais bizarro ainda é falar que tem nojo de leite materno. .

    • Carolina silva Diz: abril 13, 2016 at 7:13 pm

      Você realmente achou que te trouxe benefícios? Estou gestante e comecei a pesquisar a respeito, mas não encontrei ainda quem tivesse praticado, só teoria. Obrigada!

    • GABRIELE RIBEIRO DA SILVA Diz: setembro 23, 2016 at 7:52 pm

      Olá Claudia Marcelino. Eu gostaria muito de poder saber mais sobre o assunto.Ainda não tenho filhos, e ,estou construindo uma matéria sobre o assunto.Como você já teve esta experiência, eu gostaria de compartilhar e ajudar a diminuir a ignorância das pessoas a respeito do assunto.

      Grata.

  23. simone alves de sousa Diz: setembro 28, 2015 at 2:57 pm

    nossa parece coisa de ritual de magia negra

  24. Deus nos livre desse absurdo.
    É surreal, ridículo, fala sério. Que mais falta? Comer carne humana? O sangue de Jesus tem poder

  25. Vocês sabiam que na Tailândia acredita-se que a placenta inicialmente deva ser tratada com sal, para garantir sua preservação, depois colocada dentro de um frasco de barro e enterrada?

  26. Carolina silva Diz: abril 13, 2016 at 7:10 pm

    Estou gestante e ainda não me convenci de que a placentofagia de fato traz benefícios comprovados, mas eu comeria com certeza se estivesse segura dos benefícios pra mim e/ou pro bebê. Por amor, vale tudo!!!

  27. Daqui a pouco será normal comer carne de gente (prática de canibalismo indígena) e quem é muito tapado vai acreditar que também traz benefício. Por favor uma coisa é um animal irracional comer sua placenta outra é um ser humano racional fazer isso,comemos fígado, coraçao de animal outra é eu comer de gente.
    Ninguem precisa disso pra ter uma boa recuperação pós parto, Deus já nos fez com uma natureza propria pra isso.

  28. Coisa mais ridícula!

  29. Maria lopes Diz: setembro 14, 2016 at 2:24 pm

    É estúpido e completa falta de bom senso. Volta às cavernas.
    A Febrasgo não apoia o uso da técnica. O presidente da Comissão de Parto da entidade, João Steibel, diz que não há nenhum estudo científico que comprove o valor nutritivo da placenta a não ser para o bebê, dentro do corpo da mãe. Ele explica que não há como sugerir uma técnica quando não há comprovação da eficácia dela.

    “Somos absolutamente contrários. Só trabalhamos com evidência científica, não há teste, nenhuma evidência da eficácia disso. Se uma paciente perguntar “posso usar?”, eu vou dizer “não pode”, não há nenhuma comprovação científica, portanto, não tem como saber se faz bem ou mal”, explica Dr. João Steibel.

  30. Vou comer a minha também!!

  31. O povo esta cada dia mais surtado. É o fim dos tempos mesmo! Daqui a pouco vão estar comendo cocô porque os animais inferiores também comem e é natural. Daqui a pouco vão estar revirando e comendo lixo porque os animais fazem e é natural. Aff que nojo!Só pode ser ideia de esquerdistas e feministas radicais isso. Gente esquisita.

  32. Para além de toda a discussão sobre nojinhos, canibalismo, creio que o importante é pensar o que é realmente saudável. é preciso ter cabeça aberta e não simplesmente vociferar sua opinião esquecendo que do outro lado tem uma pessoa dotada de razão e de vontades assim como você. Estas coisas claramente culturais. houve um tempo em que não se comia orelhas, pés e outras partes do porco por não serem partes nobres e estas eram dadas aos escravos com feijão preto. Deste ato surgiu a feijoada um prato que é especialidade em alguns lugares e com preços altíssimos dependendo do caso. Não creio que chegaremos a encontrar um X -Placenta por ai, mas é possível que esta pratica se torne cada vez mais comum.

  33. Qual o embasamento científico que voces tem pra dizer esses “benefícios”??

  34. Leandra Oliveira Diz: outubro 23, 2016 at 11:30 am

    Bem, eu não comeria não. Mas respeito quem pratica tal ação e desejo sorte a todas…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *