O ‘control-alt-delete’ de Trump sobre a Política Nacional de Mudanças Climáticas

O ‘control-alt-delete’ de Trump sobre a Política Nacional de Mudanças Climáticas
27 jan 2017

As recentes ações tomadas pela equipe de Trump sobre questões de clima e energia são os primeiros passos rumo à guerra contra o conhecimento? Ou são simplesmente o que você esperaria de uma nova administração com ponto de vista diferente?

Vamos examinar o que temos.

Logo após Donald Trump ser declarado como o 45º presidente dos Estados Unidos, uma gama de informações no site da Casa Branca relacionadas às mudanças climáticas foi transferida para o arquivo do ex-presidente Obama.

As únicas referências ao aquecimento global no novo site da Casa Branca são promessas de eliminar “políticas prejudiciais e desnecessárias, como o Plano de Ação sobre o Clima”. Este plano é uma estratégia de Obama para reduzir as emissões de carbono, assunto com o qual Trump parece não se importar.

Ao mesmo tempo, o novo presidente já assinou ordens para execução de dois polêmicos oleodutos: Keystone XL e Dakota Access – ambos barrados por Obama devido aos impactos ambientais.

Donald Trump mostra assinatura em ordem executiva que autoriza a construção de oleodutos.
(Foto: Instagram)

O breve artigo da Casa Branca passou a indicar as prioridades da nova administração: a Agência de Proteção Ambiental (em inglês, EPA) deve focar em sua “missão essencial de proteger nosso ar e água”.

Enquanto a administração descobre como alcançar este re-foco, funcionários da EPA receberam ordens para cancelar todas as divulgações, e ficarem quietos sobre tal. Isto significa que não serão emitidos comunicados externos de imprensa e não serão permitidos posts em mídias sociais. Não ficou clara a duração deste veto.

O Parque Nacional de Badlands teve seus tweets sobre clima deletados.
(Foto: NPS)

Encarando a proibição

Desafiando o veto imposto pelo presidente, o Parque Nacional de Badlands postou tweets sobre a importância da ciência climática, tratando de assuntos como CO2 na atmosfera, acidificação dos oceanos, entre outros. Pouco tempo depois, os posts foram banidos da página. Seguem abaixo.

Tradução: A concentração pré-industrial de gás carbônico na atmosfera era de 280 partes por milhão (ppm). Já em Dezembro de 2016, 404,93 ppm. (Reprodução: Twitter)

Tradução: A concentração pré-industrial de gás carbônico na atmosfera era de 280 partes por milhão (ppm). Em Dezembro de 2016 era de 404,93 ppm.
(Reprodução: Twitter)

 

Tradução: Hoje, a quantia de gás carbônico na atmosfera é maior do que em qualquer outra época nos últimos 650.000 anos. (Reprodução: Twitter)

Tradução: Hoje, a quantia de gás carbônico na atmosfera é maior do que em qualquer outra época nos últimos 650.000 anos.
(Reprodução: Twitter)

 

Tradução: Não tão mencionada quanto a atmosfera; a acidez dos oceanos aumentou 30% desde a Revolução Industrial. (Reprodução: Twitter)

Tradução: Menos citada que a atmosfera; a acidez dos oceanos aumentou 30% desde a Revolução Industrial.
(Reprodução: Twitter)

Trump no Twitter

O presidente dos Estados Unidos já havia usado o Twitter inúmeras vezes para divulgar suas idéias contra o aquecimento global.

Tradução: O conceito de aquecimento global foi criado e usado pelos chineses para tornar a manufatura dos Estados Unidos não competitiva. (Reprodução: Twitter)

Tradução: O conceito de aquecimento global foi criado e usado pelos chineses para tornar a manufatura dos Estados Unidos menos competitiva.
(Reprodução: Twitter)

Tradução: Está congelando e nevando em Nova Iorque – nós precisamos do aquecimento global. (Reprodução: Twitter)

Repercussão na Internet

A mordaça de Trump às agencias causou vasta repercussão na Internet. Muitas pessoas passaram a usar a tag #climatefacts para mostrar ao presidente fatos científicos que comprovam a realidade das mudanças climáticas.

Tradução: 97% dos cientistas concordam que mudanças climáticas são reais e que são causadas por atividades humanas. Negar a ciência não é mais uma opção. (Reprodução: Twitter)

Tradução: 97% dos cientistas concordam que mudanças climáticas são reais e são causadas por atividades humanas. Negar a ciência não é mais uma opção.
(Reprodução: Twitter)

 

Tradução: Um termômetro não é democrata ou republicano. E não vai mostrar um número diferente dependendo de como você vota. (Reprodução: Twitter)

Tradução: Um termômetro não é democrata ou republicano. E não vai mostrar um número diferente dependendo de como você vota.
(Reprodução: Twitter)

Mesmo assim, relatórios de agências de notícias indicam que este retrocesso não irá cessar, e que páginas sobre informações climáticas hospedadas pela EPA serão encerradas definitivamente.

“Se o website desaparecer, anos de trabalho e estudos sobre mudanças climáticas desaparecerão”, disse um membro anônimo da EPA, de acordo com relatórios.

Então, são todas estas evidências de uma mentalidade malévola, determinada a destruir toda esta conversa de aquecimento global?

Definitivamente sim, de acordo com Alden Meyer, um ativista veterano sobre clima junto à Union of Concerned Scientists.

“Presidente Trump e seu time estão seguindo o que chamo de estratégia ‘control-alt-delete’: controlar os cientistas das agências federais, alterar as políticas baseadas em ciência para adaptá-las à sua ideologia restrita, e deletar informações científicas dos sites do governo”, disse Meyer à BBC News.

Não, de acordo com o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer.

“Não acho nenhuma surpresa que, durante uma virada de administração, nós vamos rever a política”, ele disse.

Entretanto, o desaparecimento dos tweets do Parque Nacional de Badlands sobre informações climáticas básicas traz preocupações de que a equipe de Trump não está somente atrás de leis retrógradas, mas também está tomando uma posição ideológica contra o que eles possam ver como “propaganda enganosa”.


Share

Guilherme Lupino
Guilherme Lupino

Engenheiro Civil, formado pela Universidade Estadual Paulista, entusiasta em novas tecnologias e sistemas de construção sustentáveis.

Observações

  1. Acho que o autor do post deveria conhecer o Luiz Carlos Molion.
    Conservar a Natureza é obrigação mas, sem esses exageros, desvarios e mentiras, que tentam tornar ilegítima e criminosa a existência e o direito dos humanos em habitar e usufruir do Planeta.

  2. Parabens pela reportagem, muito triste, muito mesmo….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *