Nova lei do Quênia irá punir fabricantes e usuários de sacolas plásticas

Nova lei do Quênia irá punir fabricantes e usuários de sacolas plásticas
20 set 2017

Por muitos anos o país africano foi grande exportador de sacolas plásticas. Com o aumento da poluição local, uma lei foi escrita e está para ser aplicada há 10 anos! Finalmente sancionada pelas autoridades locais, a produção e consumo de sacolas plásticas serão punidos.

A lei, que entrou em vigor no final de Agosto passado, prevê uma multa de até 40 mil dólares e cárcere de até quatro anos! Segundo a nova legislação, o carregar a sacola plástica passa a ser um crime. Mas o Ministro do Meio Ambiente Judy Wakhungu afirma que o primeiro passo é banir fornecedores e indústrias do ramo.

A Associação dos Fabricantes não esconderam o descontentamento e afirmaram que a medida acabará com 60 mil postos de trabalhos – total de 176 fábricas terão que fechar suas portas. Por isso que foram 10 anos com a lei engavetada e três tentativas para que a lei entrasse em vigor.

Estima-se que uma sacola leve de 500 a 1000 anos para ser 100% decomposta, se em condições normais da natureza. Além disso, muitos animais acabam sofrendo com todo o lixo que o hábito gera: ingerem por engano os plásticos e muitas vezes acabam morrendo.

Leia também: 29 baleias cachalotes são encontradas mortas na Alemanha com estômagos cheios de lixo plástico

Outros 40 países já tomaram medidas parecidas (bem menos severas) para combater o uso de sacolas plásticas. Em São Paulo, após a lei que permite cobrança de sacolas pelo supermercado, reduziu em 70% a quantidade de sacolas plásticas. Na Escócia, a mesma medida já evita 650 milhões de sacolas plásticas por ano!

Se o nosso nível de consumo plástico permanecer constante nos próximos anos, em 2050 teremos mais plástico do que peixes nos oceanos. Precisamos repensar nossos hábitos com urgência!

Foto: velkr0/ Creative Commons



Jéssica Miwa
Jéssica Miwa

Mãe do Gael, Googler, jornalista e cofundadora do The Greenest Post. Acredita em pequenas ações que podem mudar o mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *