Mil tartarugas morrem todos os anos no litoral norte de SP por causa de lixo descartado indevidamente nas praias

Mil tartarugas morrem todos os anos no litoral norte de SP por causa de lixo descartado indevidamente nas praias
21 jul 2017

Apesar de estar longe de bater o recorde de poluição oceânica do mundo, “troféu” que vai para uma pequena ilha no Oceano Pacífico, o litoral norte do estado de São Paulo anda castigando muito sua biodiversidade marinha.

Só no ano de 2016, cerca de mil tartarugas morreram ao ingerir plástico no oceano da região – são três por dia! Os dados são do Instituto Argonauta, entidade sediada em Ubatuba, que se dedica a produzir pesquisas sobre conservação marinha. Em apenas um ano e meio de campanha de limpeza das praias, foram coletados 9,8 toneladas de lixo.

A organização faz o que pode, mas – sozinhos! – projetos não são capazes de combater toda poluição oceânica do mundo, já que as correntes marítimas acabam globalizando o problema, que não conseguirá ser resolvido localmente. Estudo estima que até 2050, o oceano terá mais plástico do que peixes. Dá para imaginar?

“Se levarmos em conta que o tempo de decomposição do plástico é de aproximadamente 400 anos, com essa poluição se repetindo a cada ano, o homem está causando um estrago praticamente irreversível ao meio ambiente. Se não pararmos já com isso, vamos liquidar de vez a vida marinha”, explica o biólogo João Alberto Paschoa do Santos.

Para tentar amenizar o problema, empresas compram a causa e adotam maneiras de utilizar esse plástico descartado indevidamente pelo homem – seja para fazer tijolo, tênis, roupas e até biquínis. Tem até marca investindo na produçução de embalagens comestíveis, que não fariam mal a animais marinhos ao serem ingeridas.

Mas o ideal mesmo seria o ser humano tomar vergonha na cara e parar de jogar lixo no meio ambiente, né?

Foto: Nemo’s great uncle/Creative Commons



Jéssica Miwa
Jéssica Miwa

Mãe do Gael, Googler, jornalista e cofundadora do The Greenest Post. Acredita em pequenas ações que podem mudar o mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *