Hospitais da Paraíba ganham hortas onde é possível colher remédios naturais para pacientes

Hospitais da Paraíba ganham hortas onde é possível colher remédios naturais para pacientes
21 mar 2016

O uso de remédios naturais para tratar problemas de saúde tem se popularizado cada vez mais no Brasil. A novidade da vez é cultivar hortas em hospitais públicos para colher remédios naturais para os pacientes.

A iniciativa é uma parceria entre a Secretaria Estadual de Saúde e a Universidade Federal da Paraíba e foi implantada, em fase piloto, no Hospital Geral de Mamanguape, especializado no atendimento clínico de urgência e emergência de adultos e crianças.

Profissionais da própria Universidade foram ao hospital ministrar cursos sobre como cultivar as plantas medicinais e de que maneira extrair substâncias curativas para o tratamento de doenças. Assim, enfermidades como verminose e diabetes já estão sendo tratadas de forma mais natural pelos profissionais do hospital – de maneira complementar ao uso de remédios industrializados, quando necessário.

Segundo a Secretaria de Saúde, além de oferecer uma alternativa mais saudável para o tratamento dos pacientes, a iniciativa reduz os gastos com remédios industrializados e está humanizando o serviço de saúde. Bacana, não?

A intenção agora é expandir a ideia das hortas para todos os hospitais estaduais da Paraíba. Os próximos da lista são o Hospital Geral de Itapororoca e o Complexo Psiquiátrico Juliano Moreira, que entre outras espécies receberão sabugueiro, colônia, erva cidreira, capim santo, hortelã e camomila. Uma boa ideia para a área de saúde dos outros Estados do país!

Foto: Divulgação/Hospital Geral de Mamanguape

LEIA TAMBÉM:
Cidade de MG produz e distribui remédios naturais de graça para população
Nada de remédio! As ervas que ajudam a tratar problemas femininos
35 plantas medicinais para não tomar remédio toda hora
Mais 35 plantas medicinais para não tomar remédio toda hora


Share

Débora Spitzcovsky
Débora Spitzcovsky

Débora Spitzcovsky é jornalista, formada pela Universidade Metodista de São Paulo e, desde o início da carreira, atua na área da sustentabilidade. Atualmente, é analista de comunicação sobre o tema na Duratex

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *