Em Pernambuco, quem pedala até o trabalho ganha dias de folga

Em Pernambuco, quem pedala até o trabalho ganha dias de folga
12 mar 2015

A conta é simples: 15 dias usando a bike como meio de transporte para ir ao trabalho = 1 dia de folga no mês. A matemática faz parte da vida dos funcionários que atuam no Ministério Público Federal de Pernambuco desde o início de março, quando começou a valer a portaria 46/2015, que beneficia aqueles que abrem mão do carro para ir trabalhar.

De autoria do procurador da República Rafael Ribeiro Nogueira Filho, a medida funciona na base de muita fiscalização. Para ganhar o benefício, os funcionários devem estacionar suas magrelas dentro do edifício-sede da Procuradoria e assinar declaração, junto ao vigilante do estacionamento, atestando que foram trabalhar de bike.

Após completar 15 dias úteis se locomovendo desta maneira, os empregados encaminham seus atestados à Coordenadoria de Gestão de Pessoas, que deve autorizar o abono de um dia de trabalho, até o quinto dia útil do mês subsequente.

Antes da medida começar a valer, no entanto, a Procuradoria de Pernambuco fez questão de instalar vestiários no prédio, para que os ciclistas possam tomar uma ducha e trocar de roupa quando chegam ao trabalho.

Curtiu? Segundo Nogueira Filho, a Procuradoria Geral da República aprovou a iniciativa e pretende expandi-la para todas as unidades do Brasil. Já pensou se a moda pega?

Foto: Trailnet/Creative Commons



Débora Spitzcovsky
Débora Spitzcovsky

Débora Spitzcovsky é jornalista, formada pela Universidade Metodista de São Paulo e, desde o início da carreira, atua na área da sustentabilidade. Atualmente, é analista de comunicação sobre o tema na Duratex

Observações

  1. “funcionários que atuam no Ministério Público Federal de Pernambuco” Só funcionário público, mesmo. Quem precisa produzir algo não pode tirar um dia de folga da empresa só pq vai trabalhar de bicicleta. E a gente aqui pagando a conta trabalhando até em feriado.

    Incentivar uso de bicicleta é ótimo, venho de bike todos os dias há anos e defendo este modal para todos os amigos. Mas isto aí é meio absurdo.

    • mimimimimimimimimi

    • é foda, mas o Estado é o único capaz de não visar apenas o lucro simplesmente porque não tem concorrência, o dinheiro vem da arrecadação e pronto. O judiciário ainda é a maior caixa preta e pode arbitrar esse tipo de coisa. No fundo apoio o bônus, mas uma folga a cada 22 dias trabalhados estaria de ótimo tamanho. De todo jeito é possível ampliar pro setor privado isso sim, tem de ajustar a conta, mas creio que dá. Enquanto em São Paulo morrem todo dia 30 pessoas (vi no jornal da Globo esse dado =p) por causa da poluição, é uma boa dar um agrado a quem não a produz.

    • João Sanches Diz: maio 9, 2015 at 11:14 am

      Eduardo, concordo em parte contigo. De todo o seu comentário só não concordei ser um absurdo, mas a opinião é sua.
      Infelizmente os empresários só querem ganhar dinheiro e explorar seus empregados.
      Mas esse conceito aos poucos está mudando, pois já existem empresas que incentivam seus empregados a medidas como essas e têm tido resultado positivo, onde os empregados trabalham com mais satisfação, vão menos ao médicos e seus gastos diminuem, tornando assim a vida deles e da família muito mais satisfatória.
      Só cabe a nós, meros empregados, convencer nossos patrões a aceitarem modelos como esses.
      Ah! Parabéns por ser um ciclista pois isso te dará saúde muito melhor.
      Continue assim.

  2. Quem pode ir de bicicleta são aqueles que têm condições de morar relativamente perto do trabalho. O pessoal que mora longe não tem como ir de bike e passa horas apertado no ônibus, vai continuar tendo que ralar todos os dias.

    • Rapaz eu conheci um vigilante que ia de Camaragibe ate Porta Larga todo dia de bike trabalhar rsrs

    • Gabriel Caetano Diz: maio 8, 2015 at 10:28 am

      Facilita pra quem mora perto, mas eu conheço gente que costuma pedalar 13km(26km~ ida e volta) pra ir pro trabalho diariamente (quando não chove pelo menos), e eu só não sigo o exemplo por causa dos horários da aula a noite.

  3. “beneficia aqueles que abrem mão do carro para ir trabalhar.” Deveria valer pra quem usa transporte público também!

  4. A conta não é simples. Porque quem paga são os escorjados pagadores de impostos que tem que encarar um ônibus lotado todos os dias.

    Quantos serão beneficados? E quanto custa 1 dia de trabalho de um cara destes, somados com tudo que vem junto ao salário, inclusive a aposentadoria.

    Se a conta fosse simples, o resultado estaria na matéria.

    Eu duvido que o nobre procurador Rafael Ribeiro adotaria algo semelhantes em uma empresa de sua propriedade. Mas, como o salário sai do bolso da viúva, viva o desperdício.

    • E o aumento da produtividade de quem faz uso de um modal que te deixa mais saudável e mais bem disposto? Já experimentou pensar fora da caixinha?
      E quais são as empresas de propriedade do nobre procurador? Você sabe quais são? Será que ele realmente as têm? Eu confesso a você que nunca vi um procurador ter tempo de ainda gerir empresas, como você sugeriu no seu comentário…

  5. Lucimari Monteiro Diz: maio 7, 2015 at 5:21 pm

    Estudem. Passem em um consurso. Depois reclamem.

    Ótima ideia, e cm disse o comentário acima “o Estado é o único capaz de não visar apenas o lucro simplesmente porque não tem concorrência”.

    • E vc acha que tudo se resume a inveja de quem vai deixar de trabalhar. Deve ser por isso que vc acha que devem estudar e passar em um concurso para ter a mesma regalia.

      E qual o conselho que vc dá para quem paga 27,5% de IR, mas tem que pagar para ter escola e pagar um plano de saúde porque o sistema de saúde e o sistema de ensino no País é um lixo?

      E nesse imposto que eu pago mensalmente, está incluso o salário dos nobres procuradores, que de tão sem problemas a resolver, podem se dar ao luxo de se darem 1 dia de trabalho por pedalar.

      Faça-me um favor. Vc pagaria seu empregado para ele ficar em casa por ter vindo trabalhar de bike? Duvido!

      E mais: do jeito que neste país tudo descamba para a imoralidade, não duvido que em breve todos estejam carregando suas bicicletas no porta-malas do carro, apresentando-a diariamente ao vigia responsável. Irão ganhar uma folga sem pingar uma gota de suor.

  6. Teria como o setor privado usar o mesmo sistema desde que acontecesse uma parceria do tipo, a empresa que consegue um numero x de funcionarios deixando o carro em casa ganha a mesma quantidade x de isenções fiscais, de modo que não pese na conta final de produtividade da emprese os dias de folga concedidos… é tudo uma questão de ajuste e boa vontade… mas como o poder publico não quer perder de jeito nenhum… fica instalando radar escondido em árvore pros motoristas perderem suas CNH e assim eles conseguem tirar os carros das ruas.

    • João Sanches Diz: maio 9, 2015 at 11:19 am

      Concordo com você.
      Só depende desses empresários gananciosos ter boa vontade para com seus funcionários.
      Quanto aos funcionalismo público não tenho como falar pois os noticiários já mostram a vergonha.

  7. É muito perigoso pedalar em grandes cidades no Brasil sem ciclovias. É necessário ciclovias primeiro para depois incentivar as pessoas a pedalarem em grandes cidades, pois sem ciclovias é um incentivo ao “risco”.

  8. […] Em PE, quem pedala até o trabalho ganha 1 dia de folga A conta é simples: 15 dias usando a bike como meio de transporte para … […]

  9. […] Em PE, quem pedala até o trabalho ganha 1 dia de folga A conta é simples: 15 dias usando a bike como meio de transporte para … […]

  10. […] Pelo menos em Pernambuco já existe iniciativa semelhante. Só que, em vez de dinheiro, os ciclistas ganham dias de folga. Nada mal também, […]

  11. […] Pelo menos em Pernambuco já existe iniciativa semelhante. Só que, em vez de dinheiro, os ciclistas ganham dias de folga. Nada mal também, […]

  12. […] o Brasil? Pelo menos em Pernambuco já existe iniciativa semelhante. Só que, em vez de dinheiro, os ciclistas ganham dias de folga. Nada mal também, […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *