Brasil estuda técnica que usa bagaço da cana para despoluir a água

Brasil estuda técnica que usa bagaço da cana para despoluir a água
20 fev 2017

O Brasil é o maior produtor mundial de cana-de-açúcar. Somente na safra 2015/2016 foram cultivadas 655 milhões de toneladas destinadas para diversos fins. Entre eles, a produção de etanol.

Mas, após a extração do caldo, cerca de um terço fica para trás como resíduo: o chamado bagaço. O que pouca gente sabe é que ele pode ser utilizado como matéria-prima para dar origem ao carvão ativo, componente bastante utilizado em sistemas de purificação da água e do ar.

A técnica está sendo desenvolvida por pesquisadores do Laboratório Nacional de Tecnologia, que pertence ao Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais.

O primeiro passo para a fabricação é a queima completa do bagaço. Depois esse carvão é misturado com reagentes químicos e submetido a um tratamento térmico. “Esses poros são bem pequenos e são onde ficam retidos os poluentes da água e do ar que se deseja remover”, explica o pesquisador Mathias Strauss.

Segundo Strauss, a inovação, se desenvolvida em larga escala, pode trazer importantes vantagens ao Brasil, que ainda importa o produto. “Temos estudado e visto que carvão ativo pode ser até 20% mais barato. Os nossos materiais têm pelo menos o mesmo desempenho ou até duas vezes melhor que o dos carvões comerciais ativos mais comuns”, complementa.

No Brasil, assim como em outros países, uma das principais funções dos carvões ativos é a utilização para a remoção das impurezas da água. Segundo estimativas, para um município brasileiro com um milhão de habitantes, é necessário cerca de uma tonelada de carvão ativo por dia para o tratamento de água. Haja bagaço! 


Share

Web Rádio Água
Web Rádio Água

A Web Rádio Água é uma ferramenta de comunicação do Centro Internacional de Hidroinformática (CIH), um centro de categoria 2 do Programa Hidrológico Internacional da UNESCO. A WRA opera na produção e difusão de conteúdos em áudio (técnicos e comunitários) dentro das temáticas “Água, Energia e Sustentabilidade”. O projeto dedica-se a ser um espaço colaborativo que possibilita a troca de informações e experiências, para que, a partir da mobilização social, sejam adotadas boas práticas relacionadas à temática água como recurso natural em diferentes cenários da vida.

Observações

  1. Muito bom!

  2. Deixa eu intender… primeiro se polui queimando o bagaço, e depois ele serve para despoluir ??? ummm… Genial !!!

  3. Olá Ralph. Vale lembrar que hoje quase 100% da cana-de-açúcar é colhida por máquinas, eliminando o emprego de fogo. O setor é neutro no balanço de emissão de gases de efeito estufa. O crescimento da cana no campo promove grande absorção de carbono, compensando o que é emitido no preparo, na distribuição, no consumo nos veículos e na queima do bagaço. Existem também lavadores de gases nas chaminés que retiram boa parte das impurezas. O bagaço é queimado com máxima eficiência na caldeira para gerar vapor e, consequentemente, energia elétrica. Tanto para abastecer a indútria, quanto para comercializar na rede nacional, aliviando a pressão sobre os reservatórios das hidrelétricas. Essa pesquisa mostra uma possibilidade bastante interessante de aproveitamento do bagaço.

  4. Interessante! Há mais fontes para pesquisas? É a primeira vez q leio sobre isso!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *