O aplicativo que vende alimentos (em bom estado!) que sobram dos restaurantes com até 80% de desconto

O aplicativo que vende alimentos (em bom estado!) que sobram dos restaurantes com até 80% de desconto
08 dez 2016

A ONU já alertou: o mundo gasta, anualmente, 750 bilhões de dólares com desperdício de comida! E mais: estima-se que os restaurantes joguem fora, todos os anos, 19 bilhões de quilos de comida (boa), enquanto tantos passam fome.

Por que não pensar em medidas criativas que ajudem a combater o problema? Na Índia, por exemplo, um restaurante disponibilizou uma geladeira no meio da rua, para que qualquer um possa deixar alimentos que não vai consumir ou pegar uma refeição. Já na Itália, os restaurantes que doam comida para os sem-teto ganham redução de imposto.

Agora, o aplicativo Food for All chega como mais uma alternativa para dar destino a sobras de alimento que estão em perfeito estado. Como? Simples! Por meio de geolocalização, ele conecta pessoas que estão a fim de economizar grana com restaurantes que erraram na dose e estão com comida sobrando. Os descontos variam de 50% a 80% e são definidos pelo próprio restaurante, que avalia a quantidade de alimentos que sobrou no dia e anuncia no aplicativo.

A ideia está fazendo sucesso! Recém-lançado, o app já administra restos de 30 restaurantes da cidade de Cambridge, em Massachussets, nos EUA. E já está com planos de se aventurar por Boston e Nova York em 2017. Que se espalhe pelo mundo! Assista, abaixo, ao vídeo da iniciativa. 



Jéssica Miwa
Jéssica Miwa

Mãe do Gael, Googler, jornalista e cofundadora do The Greenest Post. Acredita em pequenas ações que podem mudar o mundo.

Observações

  1. Achei muito estranha esta notícia! Sempre ouvi falar que restaurantes, lanchonetes e demais empresas do ramo alimentício são proibidas por força de leis (ou portarias e regulamentações, etc.) à doarem os excedente de suas produções (alimentos preparados nestes estabelecimentos e que não foram vendidos durante o período comercial) à instituições filantrópicas e ou de assistência social, e isto por razões sanitárias de segurança alimentar!! Agora vem essa notícia de que estes mesmos excedentes (que não podem ser doados por motivos de segurança alimentar) poderão ser “desovados” via internet ao consumidor, gerando receita comercial a estes mesmos estabelecimentos??!!

    • Super concordo com vc Ricardo! Quer dizer então que para se fazer uma boa ação não é permitido, mas para continuar lucrando é. aff é o consumismo engolindo as boas ações e mais uma vez a ambição humana fala mais alto INFELIZMENTE!!!!!!!!!!

  2. FRANCISCO C MOSS Diz: janeiro 1, 2017 at 12:43 pm

    A idéia é ótima pois poderá reduzir tb os preços normalmente cobrados pelos restaurantes já que a perda se aproximará de zero. Quanto a doações a AnVisa, onde ninguém passa fome, impede as doações mesmo para serem usadas como alimentos de suínos. Somos um povo estranho.

  3. A ANVISA apenas cumpre a lei: Código Civil (Lei nº 3.071, de 1º de janeiro de 1916) e parágrafo ao art. 129 do Código Penal (Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940); Código de defesa do consumidor CDC lei 8.078 de 1990.
    Hoje você pode doar sim (dentro das técnicas de segurança do alimento preparado, cumprindo especificações de transporte e para consumo imediato nas áreas de comensais).
    O problema é que quando se doa não se doa a responsabilidade ou seja, a responsabilidade pelo uso do alimento é solidária entre o doador e o intermediário ao permissionário. Então se o intermediário não cumpre os requisitos do transporte e armazenamento seguro, o doador que já não tem gerência sobre o alimento fica passível das sanções legais no caso de problemas (desvios de qualidade)
    Matéria difícil pois tramita um PL PL 4747/1998, Projeto de Lei de origem: PLS 165/1997 na câmara desde 1997 e nada se conclui.
    http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=21109

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *