7 hábitos sustentáveis que nossos avós costumavam ter (e nós deveríamos retomar)

7 hábitos sustentáveis que nossos avós costumavam ter (e nós deveríamos retomar)
01 ago 2016

Nessa (louca!!) vida moderna, é muito difícil desacelerar e voltar a praticar hábitos  saudáveis, que costumavam fazer parte da rotina de nossos avós. São atitudes simples, que podem ajudar a preservar os recursos naturais do planeta e, de quebra, nos dar mais qualidade de vida. Mas cadê tempo para retomá-las? Para facilitar, fiz uma lista com algumas práticas que deveríamos nos forçar, de vez em quando, a incluir em nossas rotinas. Que tal escolher uma por mês e aos poucos ir desacelerando?

1. DÊ PREFERÊNCIA A REMÉDIOS NATURAIS
Ir até a farmácia é simples e rápido, eu concordo! Muitas vezes essa facilidade salva a nossa vida e acaba com o sofrimento pontual em questão de minutos. Mas o ideal é não recorrer a ela com tanta frequência e dar preferência a remédios naturais, ervas e chás que podem até não ter um resultado tão rápido quanto a alopatia, mas com certeza são muito mais saudáveis. Entre outros posts sobre o tema, nós do TGP já mostramos as 28 plantas medicinais (recomendadas pela Anvisa) para não tomar remédio toda hora.  

2. COZINHE USANDO TAMBÉM RESTOS DE ALIMENTOS
Sabe aquela receita com casca de banana e laranja ou aquela outra que leva talo de brócolis, que nossos avós compartilham orgulhosamente? Elas são ótimas para reduzir os resíduos orgânicos que produzimos em nossas casas e ainda contêm uma série de nutrientes importantes — além de ser supergostosas. Nós já mostramos aqui quatro receitas que usam integralmente os alimentos e também apresentamos nove simples dicas para ter uma cozinha mais sustentável.

3. CUIDE DE SUAS ROUPAS COMO SE FOSSEM INSUBSTITUÍVEIS
Lembro sempre do cuidado de meus avós com as roupas deles. Além de lavar as roupas na mão e costurá-las, caso tivessem algum defeito, eles nunca as tratavam como se fosse algo descartável e substituível. Eles não são dessa época de consumo desenfreado e acho que devemos aprender isso com eles, praticando o tão falado Slow Fashion.

4. USE SEUS OBJETOS ATÉ O FINAL DA VIDA ÚTIL
Mais ou menos na mesma pegada da dica das roupas, precisamos recriar o hábito de usar nossos objetos até o final de sua vida útil – sejam cosméticos, alimentos ou até cadernos. Com a facilidade, o custo baixo e a grande oferta, as vezes não damos tanto valor aos objetos mais antigo e acabamos substituindo-os. Mas aproveitá-los integralmente é uma forma muito eficaz de reduzir nosso consumo.

5. CULTIVE UMA HORTA
Mesmo que ela seja pequenina, só com alguns temperos e legumes de baixa manutenção. Além de prezar pela sua saúde (já que temos alto consumo de agrotóxicos no Brasil) e economizar alguns trocados, a horta pode ser um ótimo exercício de terapia. Desacelerar nosso ritmo e entender que na natureza tudo tem seu tempo é um valioso aprendizado. Ah! E falta de espaço não é desculpa, hein? Se você não tem quintal, veja 12 alimentos que podem ser plantados dentro de casa.

6. CAMINHE MAIS
Minha avó fazia quase tudo apé: supermercado, feira, passeios… É verdade que ela morava em uma cidade pequena, do interior, mas mesmo assim é um hábito muito difícil de se encontrar hoje em dia. Ver o carro na garagem é uma tentação! Que tal aceitar o desafio de pensar cinco vezes antes de ligar o motor? Reduz a emissão de CO2 e ainda ajuda a melhorar sua saúde!

7. USE PRODUTOS DE LIMPEZA CASEIROS
Conhece alguém que usa vinagre ou bicarbonato de sódio para ajudar na limpeza da casa? Não? Não te culpo se você nunca ouviu falar sobre o assunto. O hábito é tão antigo que pouquíssimas pessoas ainda o praticam. Mas, além de economizar no supermercado, é mais saudável, uma vez que nos leva a viver em um ambiente com menos compostos químicos espalhados pelo ar. Curtiu a ideia? Confira 15 receitas de produtos de limpeza ecológicos para fazer em casa.

Foto: Julian Buijzen/Creative Commons



Jéssica Miwa
Jéssica Miwa

Mãe do Gael, Googler, jornalista e cofundadora do The Greenest Post. Acredita em pequenas ações que podem mudar o mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *