6 dicas para educar crianças com responsabilidade socioambiental

6 dicas para educar crianças com responsabilidade socioambiental
24 set 2017

Educar um novo ser é um desafio e tanto. Sei que é clichê, mas estamos educando a próxima geração de habitantes, que serão responsáveis por gerir nossos recursos e sociedade – de coração, espero que eles façam um trabalho muito melhor que o nosso, atualmente. Para isso, é importante pensar como estamos contribuindo neste sentido por meio da educação de nossos filhos. Por isso listei 6 dicas que costumo aplicar aqui em casa. Se vocês tiverem mais sugestões, compartilhem conosco nos comentários!

1. DÊ IMPORTÂNCIA À ALIMENTAÇÃO
Tudo, de certa forma, começa aí. Quando iniciamos a introdução de alimentos, temos a chance de apresentar aquilo que fará bem e desenvolverá o paladar da criança. Afinal, trata-se de suas primeiras experiências. Eles nunca experimentaram nada! Oferecer berinjela, jiló, brócolis, beterraba é importantíssimo (mesmo que a gente pessoalmente não goste). É isso que fará bem e nutrirá nossos pequenos!

É claro que açúcar e doces em geral são uma delícia! Mas eles não sentem falta disso, porque nunca experimentaram. E dar esse tipo de alimento antes dos dois anos vai contra a recomendação do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde. Aqui em casa, eu adiei isso o máximo possível (apesar de, particularmente, ser viciada em chocolate). Mas sabia que estava fazendo bem para o meu filho.

E o que isso tem a ver com o meio ambiente, Jéssica? Você deve estar se perguntando. Pois eu digo: berinjela, jiló, brócolis, beterraba vêm da terra, não são industrializados. Além disso, sempre que possível, opte pelo alimento orgânico, que não apenas faz bem para o organismo, como também não prejudica o solo utilizado para plantação.

2. DESCOMPLIQUE A MOBILIDADE
Quem mora em cidade grande sabe: é impossível fugir do trânsito. E, muitas vezes, por conta das nossas responsabilidades, precisamos utilizar o carro como meio de transporte. Mas eu faço de tudo para deixar meu filho fora dessa. Sempre optei por uma escola mais perto da minha casa, para que ele não sofra tanto com a espera no trânsito. Mas mesmo assim, não soava certo ele andar tanto de carro.

Hoje nós vamos e voltamos andando até a escola. Parece besteira, mas é uma experiência muito enriquecedora! Primeiro que ele, com dois anos, já sabe o caminho de casa completo. Às vezes, quando precisamos mudar o caminho por algum motivo, ele argumenta que está errado. Adquiriu uma noção de espaço tremenda. Além disso, fazemos exercício e descomplicamos a vida: não preciso ficar na fila de carros dos pais na escola e muito menos ficar prendendo ele na cadeirinha. Ele aproveita o caminho para perguntar muitas coisas: o que é isso? Por que aquilo é assim? Como isso acontece? Onde está aquilo?

Aproveito o momento para colocar valores importantes na vida dele. Me enche de orgulho toda vez que ele vê um lixo jogado no chão e repete umas 500 vezes que não se pode fazer isso, que é muito feio e que precisa jogar no lixo! Sei que é uma conquista relativamente pequena, mas imagina se todo mundo tivesse essa consciência aos dois anos?

3. COMPRE MENOS E NÃO ESTIMULE O CONSUMISMO
Essa tarefa é muito difícil, principalmente quando a criança vai para a escola e convive com mais colegas! Mas o comprar brinquedos, roupas e coisas em geral (e supervalorizar esse ato de compra) é prejudicial para o desenvolvimento saudável da criança, que se sentirá dependente dos objetos.

É muito mais saudável aguçar a criatividade, montar os próprios brinquedos e usar a imaginação para passar o tempo. Não estou dizendo que não compro nada em momento algum. Quero dizer que isso não deve se tornar um evento importante, para o qual a criança fique ansiosa.

4. REDUZA O IMPACTO AMBIENTAL COM FRALDAS DE PANO
Eu assumo que as fraldas descartáveis são bem mais práticas! Mas os motivos para utilizar as fraldas de pano são muito importantes para mim e eu já listei neste post os porquês. Agora me atento aos principais benefícios para o meio ambiente (sem contar para a saúde do bebê).

Primeiro, poupa espaço nos aterros sanitários. Uma fralda descartável leva entre 400 e 500 anos para se decompor. Isso significa que seu bebê já nasce com uma pegada ecológica absurda. Em uma conta simples, cada bebê utiliza, aproximadamente, 8 fraldas por dia. Em um mês, são 240 fraldas. Em um ano, 2880. Será que ele ficará contente em saber, no futuro, que seus tataranetos irão conviver com os resquícios das suas próprias fraldas no planeta? Eu não fiquei nadinha!

Segundo, economiza recursos naturais. É isso mesmo! Você deve estar pensando que gasta mais água para lavar, mas a produção de uma fralda descartável também gasta MUITA água. Portanto, sua pegada segue a mesma lógica dos copos descartáveis, que a gente já explicou aqui no The Greenest Post.

5. INCENTIVE O CONVÍVIO COM A NATUREZA
Tem que pisar na terra mesmo, brincar com animais e voltar encardido para tomar banho em casa. Além de estimular o sistema imunológico da criança, ela cresce dando valor à natureza que a cerca.

Minha geração não tem muito disso. Pessoalmente não tive muito contato com verde e aprendi, muito depois, o quão gostoso é ficar perto da mãe natureza. Mas ouço muito, com um certo saudosismo, da geração de minha mãe, que aproveitou cada segundo. Por isso, sempre que posso, levo Gael em sítios e parques, para mostrar que a vida não é essa selva de pedras em que vivemos.

6. DÊ TRABALHOS DOMÉSTICOS DE ACORDO COM A IDADE DE SEU PEQUENO
Acredito que seja importante, desde o início, ensinar que nada se lava, cozinha ou arruma sozinho! Sempre critiquei e não achei certo terceirizar o serviço doméstico para outra pessoa. Na minha opinião, precisamos, no mínimo, ter a decência de limpar nossa própria sujeira.

Por isso sempre incentivo a arrumação do quarto e da sala. Ele já sabe, por exemplo, que precisa arrumar todos os brinquedos espalhados pela casa antes de dormir. Eu o ajudo com a tarefa. Aos poucos, de acordo com seu crescimento, as responsabilidades crescem: colocar o lixo para fora, lavar a louça e ajudar com outras manutenções é uma tarefa superimportante.



Jéssica Miwa
Jéssica Miwa

Mãe do Gael, Googler, jornalista e cofundadora do The Greenest Post. Acredita em pequenas ações que podem mudar o mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *